19 ago

A gente tá amando essa temporada de editoriais! De junho até agora já fizemos três, sendo dois exclusivamente de noivas e o último {esse que vamos falar hoje} de noivas e festa/madrinha. Olha só:

  1. o boho “Um quê de sílfide”, cuja locação foi num bosque encantado aqui da nossa cidade e que foi lançado de primeiríssima mão no Wedding Guide 2016 {www.weddingguide.uol.com.br}. Esse foi pro ar na semana passada, dia 10/08 {quem não viu, corre lá pra ver!!!};
  2. outro em São Paulo feito em estúdio {numa outra pegada} com o queridíssimo maquiador Danilo Donadeli e que em breve vamos mostrar tudinho aqui;
  3. e o último {até agora… rsrsrsrs} que foi na semana passada na Fazenda Ibicaba, para o lançamento do Anuário de Noivas mais charmoso do interior: a LOVE MAG! Aiii! Vocês vão amar! E o estilo desse editorial foi o hi-lo. Pra quem não sabe, hi-lo é a abreviação do termo high-low {alto e baixo ao pé da letra} que faz referência, basicamente ao mix artigos de luxo com outras peças, inclusive aquelas encontradas em brechós. Manja vestido de noiva com tênis, jaqueta de couro?

Daí a gente faz essas fotos e depois fica com um siricutico gi-gan-te pra ver o resultado final!!!

E o mais legal de fazer os editoriais {além das fotos que a gente fica babando…} é o crescimento – pessoal e profissional – que essa experiência nos proporciona! Cada profissional consegue imprimir suas características e deixam pegadas marcantes e peculiares que a gente ama e super aprova!

E vocês já devem estar ouvindo falar da LOVE MAG, né gente? O lançamento será em Setembro e, pelo visto, será um bafafá daqueles que a gente ama participar!

Clica aqui pra ver o backstage desse dia tão delícia!

 Ficha Técnica:

  • Foto: Aloha Fotografia
  • Beleza: Camarim by Wilson Arado
  • Acessórios: Aline Figueiredo Joias
  • Modelos: Daniella Camargo, Gabriela Reginato, Joyce Castilho
  • Buquê: Grciele Barriviera – Amaris Decor
  • Vestidos: Ateliê Renata Campos® e Sinq
  • Direção criativa: Elisa Baeninger Grego
  • Co-direção: Fica, vai ter bolo!
  • Assistente de produção: Heloísa Massari e Isabella Hereman
  • Locação: Fazenda Ibicaba
  • Making of: Ricardo Sartori – Kanal Locação para Eventos

Beijocas, excelente fds e até a próxima!!!

13 mai

002 OK

As  primeiras coisas que um casal precisa definir assim que decide a data do casamento são:

  • Um bom cerimonial
  • O Formato da celebração do casamento (número aproximado de convidados,valor aproximado que querem gastar, etc.)
  • Local do casamento, entre cerimônia e festa

E pensando nestes pontos importantíssimos no planejamento de casamento, hoje vamos dar algumas dicas que podem te ajudar na escolha do lugar que para você se casar!

CAMPO

Pontos fortes de se casar ao ar livre: Acho que 80% das noivas gostariam de se casar embaixo de uma árvore. Casamento ao ar livre é lindo, proporcionar uma cerimônia e uma festa com um clima bucólico, com muita natureza envolvida, o sol ou a Lua como convidados, é um encanto!  O clima é lindo, tudo fica mais agradável aos olhos e você não precisa investir tanto em uma decor, em especial se o lugar for bem arborizado!!

Pontos Fracos de se casar ao ar livre: Como tudo tem dois lados, sempre digo que para se casar ao ar livre, você precisa ser uma pessoa (no caso a noiva e todo o casting de profissionais  do casamento também), que lide bem com o imprevisto, pois casar ao ar livre, tudo pode acontecer. Pode ventar, pode chover, pode fazer muito frio e dependendo do que acontece, o plano B precisa ser ativado e aí, não adianta chorar, o melhor que deve ser feito é relaxar e seguir com o seu casamento. Para os casamentos ao ar livre, o plano B é extremamente necessário, pois na hora do casamento, não podemos planejar nada, só podemos executar o que foi anteriormente programado como plano A ou B. Então, para a noiva que pretende dizer SIM ao ar livre, saiba que os imprevistos acontecem e caso aconteça no seu casamento, você terá que estar preparada para sorrir, mesmo se tiver que se casar no plano B, ou entrar com uma sombrinha até o altar.

PRAIA

Pontos Fortes de se casar na Praia:  Nem preciso dizer que este é um desejo de muitas noivas. Além de ter o mar como testemunha, e poder fazer um casamento mais suave, mais conectado a natureza, este tipo de casamento pede uma decor mais rústica, com um clima náutico, tudo bem clean e fluido. Para os casamentos na praia, não é necessário investir tanto num cenário, pois a praia em si já é o ponto alto da decor.

Pontos fracos de se casar na praia: Nem todo mundo que você gostaria que estivesse presente no seu casamento, estará lá! Para noivos que tem muitas pessoas idosas na família lembrem-se que normalmente eles sentem dificuldade em viajar e também de caminhar na praia. As roupas dos convidados precisam ser muito bem definidas e é necessário uma atenção maior com relação a isso para que ninguém apareça de vestido brilhante. Como a grande maioria dos casamentos na praia tem o formato de Destination Wedding, em geral as celebrações são menores e mais intimistas. É importante lembrar que a maré sobe e que existe a maresia! : )

SALÃO DE FESTAS

Ah, o tradicional salão de festas! Segundo o meu pai, a tradição existe, porque ela funciona! (rs) E para um casamento,  num formato mais tradicional (que também é lindo), esta é a melhor opção:

As vantagens de se casar dentro de um salão, é que na grande maioria das vezes, a própria estrutura dita a sua decoração. A grande maioria deles já tem um piso maravilhoso, já tem um belo lustre, etc. Para as surpresas  do nosso clima, não existe nada mais seguro que um salão de festas, que normalmente são fechados e já contem um gerador, caso a energia acabe por conta de um temporal. Pode ventar, pode chover, pode acabar a energia que nada disso vai atrapalhar o andamento da sua festa, nem o conforto dos convidados.

Pontos fracos de se casar num salão: Se você é uma noiva que gosta muito de verde, natureza, jardim e tals, normalmente para ter este resultado, você precisa investir uma boa grana na sua decor. Colocar árvores, muro inglês, vegetação, etc, em geral acaba sendo um pouco mais caro do que se casar ao ar livre, onde a natureza já faz parte da decor.

Estes pontos que comentei aqui, são os mais relevantes para quem começou a pensar no local do casamento. Pense, pesquise, perceba a sua personalidade, como você lida com imprevistos, quanto pretende gastar, e qual o resultado que você espera ver no seu álbum de casamento, afinal … casamento é, na maioria das vezes, uma vez só na vida! Então o ideal é pensar direitinho pra não se arrepender depois.

E aqui, uma dica de ouro sobre a decor:

varal

O varal de luzes, que é o queridinho das noivas, fica legal nos 3 cenários! No campo, na praia e no salão. O que ele precisa é estar alinhado com a sua decor. Ele pede sempre uma decoração mais rústica, intimista e descontraída. Castiçais, candelabros, mesas espelhadas, cristais, normalmente não ficam bons com um varal de luzes! Mas se seu decorador souber trabalhar o contexto da festa e conseguir integrá-lo bem, ele vira um ítem decorativo MARAVILHOSO! Eu amo!!!

Beijo no coração.

Carol Claudino.

Foto: Pinteres e Google imagens

 

20 abr

Olá, pessoal! Esse post será bem útil não só para as noivas, mas para todas as festeiras de plantão! E como ela veio mesmo pra ficar, independente da estação do ano, do estilo de roupa e da faixa etária {há uns anos atrás as moçoilas não curtiam muito renda}, faremos um apanhado de alguns tipos de renda, suas características, aplicações e até o valor do metro. Bora lá?

Vamos começar pela GUIPURE, lê-se guipir – mas a maioria fala “gRipir” –  {nãaaao pessoal!!!}: podemos considerar esse tipo como a queridinha das noivas por ser bem tradicional e mega elegante. Tem um caimento mais pesado, às vezes com um ar mais rústico, e fica muito bem para vestidos estruturados, tanto longo como curto.

As ourelas {as bordas} geralmente são com desenhos, os chamados “bicos”, que permitem recortes para fazer aplicações no vestido, no acabamento da saia, no decote e véu da noiva. Um boa renda guipure vai custar em média 150,00 o metro.

g (161)

g (85)

a guipure turquesa

IMG_2199A SOUTACHE é formada por bordados com o fio soutache e por isso é uma renda estruturada, mais sequinha, tendo pouco caimento. Fica ótima se for usada sobre um tecido encorpado, como o cetim bucol e o zibeline, ou como fizemos no vestido da Nathália, aplicada diretamente sobre a pele. Assim, a chance de ver todos os detalhes dessa belíssima renda é maior!

Assim como a guipure, mas com algumas restrições {dependendo do desenho} funciona bem recortá-la para aplicações. Pasmem: varia entre R$ 100,00 e 500,00 o metro!

A SOUTACHE

A SOUTACHE MADRINHA

a soutache verde

A SOUTACHE

A renda CHANTILLY foi chamada assim por ter sido desenvolvida na região de Chantilly, na França. E sendo assim, adivinha? É a renda mais cara, chegando a R$ 1.1,00 o metro! Tem caimento leve e delicado e agrada muito as noivas mais românticas. Excelente para modelos fluidos, que pedem bastante movimento.

Por ser bem fininha, fica muito bem quando a sua transparência é explorada em locais estratégicos, como as costas. Que amor…

A FRANCESA 2

A FRANCESA COSTAS

A FRANCESA BICO

A FRANCESA

Já a RICHELIEU é uma renda não muito comum e antigamente era feita por bordadeiras, assim ó: o desenho da renda era traçado primeiramente num papel manteiga. Depois, transferia-se esse desenho para o tecido, que era bordado à máquina. As bordadeiras finalizavam manualmente, cortando o restante do tecido com uma tesoura beeem fininha e delicada, contornando o desenho feito pela máquina, para deixá-lo vazado.

Atualmente essa renda {como todas as outras, com exceção do bilro} são feitas industrialmente. Fica bem encorpada e dá um efeito bem bacana se for usada para fazer aplicações, assim como a guipure. Aliás, ambas são bem parecidas!

O valor do metro pode variar de R$ 170,00 atééééé R$ 700,00.

A RICHELIEU BRANCA

A RICHELIEU

Por hoje é só {tudo isso! rsrsrs…} e semana que vem a gente termina esse papo com vocês!

{Referência das fotos: Ateliê Renata Campos® + GJ Tecidos + Riatla Studio + Bianca Morales}